Análise Técnica Dos Mercados Financeiros - John J. Murphy - Capítulo 1

Cruzeta

Cruzeta Publicado 23/01/2021 


Resolvi publicar aqui minhas considerações sobre o estudo que farei do livro: 

Análise Técnica Dos Mercados Financeiros - John J. Murphy.

Capítulo1- Filosofia Da Análise Técnica

A análise técnica é o estudo da ação do mercado, principalmente por meio do uso de gráficos, com o objetivo de prever tendências de preços no futuro. O termo“ ação do mercado ”inclui as três principais fontes de informação à disposição do técnico —Preço, volume e contratos em aberto. (Os contratos em aberto são usados apenas em futuros e opções.) O termo "Price Action", que é frequentemente usado, parece muito restrito porque a maioria dos técnicos inclui o volume e os contratos em aberto como parte integrante de suas análises de mercado. Com esta distinção feita, os termos “Price Action” e “Market Action” são usados indistintamente ao longo do restante desta discussão.

FILOSOFIA OU JUSTIFICATIVA

1- O mercado desconta tudo. (Market Action Discounts Everything)
2- Os preços de movem em tendências.
3- A história se repete.

O Mercado Desconta Tudo

A declaração "o mercado desconta tudo" forma o que é provavelmente a pedra angular da análise técnica.

A declaração "o mercado desconta tudo" forma o que é provavelmente a pedra angular da análise técnica.  O analista acredita que qualquer coisa que possa possivelmente afetar o preço - fundamentalmente, politicamente, psicologicamente ou de outra forma - é na verdade refletido no preço desse mercado. Conclui-se, portanto, que um estudo de Price Action é tudo o que é necessário. Tudo o que o analista está realmente afirmando é que o preço deve refletir mudanças na oferta e na demanda. Se a demanda exceder a oferta, os preços devem subir. E se a oferta excede a demanda, os preços devem cair. Esta ação é a base de todas as previsões econômicas e fundamentalistas. O analista então chega à conclusão de que se os preços estão subindo, sejam quais forem as razões específicas, a demanda está excedendo a oferta e o os fundamentos devem ser altistas (Bullish). Se os preços caírem, os fundamentos devem ser baixistas (Bearish). O analista está indiretamente estudando fundamentos. A maioria dos analistas iria provavelmente concordam que são as forças subjacentes da oferta e da demanda, os fundamentos econômicos do mercado, que causam mercados de alta (Bull) e baixa (Bear). 

 Os gráficos em si não fazem os mercados subir ou descer. Eles simplesmente refletem a psicologia de alta ou de baixa do mercado.

Os gráficos em si não fazem os mercados subir ou descer. Eles simplesmente refletem a psicologia de alta ou de baixa do mercado. Como regra, os grafistas não se preocupam com as razões pelas quais os preços sobem ou caem. Muitas vezes, nos estágios iniciais de uma tendência de preço ou em momentos críticos virada, ninguém parece saber exatamente por que um mercado está se portando de uma certa maneira. Embora a abordagem técnica às vezes possa parecer excessivamente simplista em suas afirmações, a lógica por trás dessa primeira premissa - que os mercados descontam tudo - torna-se mais atraente quanto mais experiência de mercado se ganha. Segue-se então que se tudo o que afeta o preço de mercado é em última análise, refletido no preço de mercado, então o estudo desse preço de mercado é tudo que é necessário. Ao estudar gráficos de preços e uma série de  indicadores técnicos, o grafista de fato permite que o mercado diga a ele ou ela qual a maior probabilidade de ir para um lado. O grafista não tenta necessariamente ser mais esperto ou superar o mercado. Todas as ferramentas técnicas que discutiremos mais tarde são simplesmente técnicas usadas para auxiliar o grafista no processo de estudo do Market Action. O grafista sabe que existem razões pelas quais os mercados sobem ou descem. Ele ou ela simplesmente não acredita que saber quais são essas razões seja necessário no processo de previsão.


Preços Movem-se Em Tendências

O conceito de tendência é absolutamente essencial para a abordagem técnica. Todo o propósito de traçar a ação do preço de um mercado é identificar tendências nos estágios iniciais de seu desenvolvimento, para o propósito de negociação na direção dessas tendências. Na verdade, a maior parte do técnicas usadas nesta abordagem seguem tendências por natureza, o que significa que sua intenção é identificar e seguir as tendências existentes.

Toda a abordagem de seguir tendências baseia-se em montar em uma tendência existente até que ela mostre sinais de reversão.

Existe um corolário para a premissa de que os preços se movem em tendências - uma tendência em movimento tem mais probabilidade de continuar do que de reverter. Este corolário é, claro, uma adaptação da primeira lei do movimento de Newton. Outra maneira de afirmar isso o corolário é que uma tendência em movimento continuará na mesma direção até que reverta. Esta é outra daquelas afirmações técnicas que parece quase circular. Toda a abordagem de seguir tendências baseia-se em montar em uma tendência existente até que ela mostre sinais de reversão.


A história Se Repete

...a chave para entender o futuro está em um estudo do passado, ou que o futuro é apenas uma repetição do passado.

Muito do corpo da análise técnica e do estudo da dinâmica do mercado (Market Action) tem a ver com o estudo da psicologia humana. Padrões gráficos, por exemplo, que foram identificados e categorizados nos últimos cem anos, refletem certas imagens que aparecem nos gráficos de preços. Essas imagens revelam a psicologia de alta (Bullish) ou queda (Bearish) do mercado. Uma vez que esses padrões funcionaram bem no passado, presume-se que continuarão a funcionar bem no futuro. Eles são baseados no estudo da psicologia humana, que tende a não mudança. Outra maneira de dizer esta última premissa - que a história se repete - é que a chave para entender o futuro está em um estudo do passado, ou que o futuro é apenas uma repetição do passado.


ANÁLISE TÉCNICA x FUNDAMENTALISTA

Enquanto a análise técnica se concentra no estudo do Market Action, a análise fundamentalista se concentra nas forças econômicas da oferta e da demanda que fazem com que os preços subam, baixem ou permaneçam os mesmos. A abordagem fundamental examina todos os fatores relevantes que afetam o preço de um mercado, a fim de determinar o valor intrínseco desse mercado. O valor intrínseco é o que os fundamentos indicam que algo realmente vale com base na lei da oferta e da demanda. Se esse valor intrínseco estiver abaixo do preço de mercado atual, o mercado está superfaturado e deve ser vendido. Se o preço de mercado estiver abaixo do valor intrínseco, o mercado está subvalorizado e deve ser comprado.

O grafista, claro, acredita que o efeito é tudo o que ele quer ou precisa saber e que os motivos, ou as causas, são desnecessários. O fundamentalista sempre precisa saber por quê.

Ambas as abordagens de previsão de mercado tentam resolver o mesmo problema, isto é, determinar a direção que os preços provavelmente irão se mover. Eles apenas abordam o problema de diferentes direções. O fundamentalista estuda a causa do movimento do mercado, enquanto o técnico estuda o efeito. O grafista, claro, acredita que o efeito é tudo o que ele quer ou precisa saber e que os motivos, ou as causas, são desnecessários. O fundamentalista sempre precisa saber por quê.

Normalmente, no início de movimentos de mercado importantes, os fundamentos não explicam ou apóiam o que o mercado parece estar fazendo.

A maioria dos Traders se classificam como técnicos ou fundamentalistas. Na realidade, há muitas sobreposições. Muitos fundamentalistas têm um conhecimento prático dos princípios básicos da análise de gráficos. Ao mesmo tempo, muitos técnicos têm pelo menos uma noção passageira dos fundamentos. O problema é que os gráficos e os fundamentos costumam estar em conflito uns com os outros. Normalmente, no início de movimentos de mercado importantes, os fundamentos não explicam ou apóiam o que o mercado parece estar fazendo. É nesses momentos críticos da tendência que essas duas abordagens parecem diferir mais. Normalmente, eles voltam em sincronia em algum ponto, mas muitas vezes tarde demais para o Trader agir.

Alguns dos mercados de alta e baixa mais dramáticos da história começaram com pouca ou nenhuma mudança percebida nos fundamentos. Quando essas mudanças se tornaram conhecidas, a nova tendência já estava em andamento.

Uma explicação para essas aparentes discrepâncias é que o preço de mercado tende a direcionar os fundamentos conhecidos. Dito de outra forma, o preço de mercado atua como um indicador importante dos fundamentos ou da sabedoria convencional do momento. Embora os fundamentos conhecidos já tenham sido descontados e já estejam “no mercado”, os preços agora estão reagindo a fundamentos desconhecidos. Alguns dos mercados de alta e baixa mais dramáticos da história começaram com pouca ou nenhuma mudança percebida nos fundamentos. Quando essas mudanças se tornaram conhecidas, a nova tendência já estava em andamento.

Um grafista aprende a gostar de ser a minoria. Ele sabe que, eventualmente, as razões para a ação do mercado se tornarão de conhecimento comum. Acontece que o Grafista não está disposto a esperar por essa confirmação adicional.

Depois de um tempo, o grafista desenvolve maior confiança em sua habilidade de ler gráficos. Ele, aprende a se sentir confortável em uma situação em que o movimento do mercado discorda da chamada sabedoria convencional. Um grafista aprende a gostar de ser a minoria. Ele sabe que, eventualmente, as razões para a ação do mercado se tornarão de conhecimento comum. Acontece que o Grafista não está disposto a esperar por essa confirmação adicional.

Se um trader tivesse que escolher apenas uma das duas abordagens para usar, a escolha teria que ser logicamente a técnica. Porque, por definição, a abordagem técnica inclui a fundamentalista.

Ao aceitar as premissas da análise técnica, pode-se ver por que os grafistas acreditam que sua abordagem é superior à dos fundamentalistas. Se um trader tivesse que escolher apenas uma das duas abordagens para usar, a escolha teria que ser logicamente a técnica. Porque, por definição, a abordagem técnica inclui a fundamentalista. Se os fundamentos se refletem no preço de mercado, o estudo desses fundamentos se torna desnecessário.

A leitura do gráfico torna-se um atalho da análise fundamental. O inverso, entretanto, não é verdade.

A leitura do gráfico torna-se um atalho da análise fundamental. O inverso, entretanto, não é verdade. A análise fundamentalista não inclui um estudo de Price Action. É possível negociar nos mercados financeiros usando apenas a abordagem técnica. É duvidoso que alguém pudesse negociar apenas com os fundamentos, sem levar em consideração o lado técnico do mercado.


ANÁLISE VERSUS TEMPO

Este último ponto fica mais claro se o processo de tomada de decisão for dividido em dois estágios separados - análise e tempo. Por causa do fator de alta alavancagem nos mercados de futuros, o tempo é especialmente crucial nessa área. É bem possível estar correto sobre a tendência geral do mercado e ainda assim perder dinheiro. Porque os requisitos de margem são tão baixos na negociação de futuros (geralmente menos de 10%), um movimento de preço relativamente pequeno na direção errada pode forçar o Trader para fora do Trade com a perda de toda ou da maior parte dessa margem. No mercado de ações, por outro lado, um Trader que se encontra do lado errado do mercado pode simplesmente decidir manter a ação, na esperança de que haverá um retorno em algum ponto.

Os Traders de futuros não têm esse luxo. Uma estratégia de “Buy And Hold” não se aplica à arena dos futuros. Tanto a abordagem gráfica quanto a fundamentalista pode ser usada na primeira fase - o processo de previsão. Contudo, a questão do tempo, de determinar pontos específicos de entrada e saída, é quase puramente técnica. Portanto, considerando as etapas que o Trader deve percorrer antes de fazer uma entrada, pode-se verificar que a aplicação correta de princípios técnicos torna-se indispensável em algum ponto do processo, mesmo se a análise fundamental foi aplicada nas fases anteriores da decisão. O tempo também é importante na seleção de uma ação individual e na compra e venda de ações de setores de mercado e grupos industriais.


FLEXIBILIDADE E ADAPTABILIDADE DA ANÁLISE TÉCNICA


Um dos grandes pontos fortes da análise técnica é sua adaptabilidade para virtualmente qualquer meio de negociação e dimensão de tempo. Não há área de Trade em qualquer ação ou futuro onde esses princípios não se aplicam. 

O grafista pode facilmente seguir quantos tipos de mercados desejar, o que geralmente não é verdade para sua contraparte fundamentalista.

O grafista pode facilmente seguir quantos tipos de mercados desejar, o que geralmente não é verdade para sua contraparte fundamentalista. Por causa da tremenda quantidade de dados com os quais o último deve lidar, a maioria dos fundamentalistas tendem a se especializar. As vantagens aqui não devem ser esquecidas.

O trader técnico é livre para escolher. O fundamentalista, no entanto, que tende a se especializar em apenas um grupo, não tem esse tipo de flexibilidade

Os mercados passam por períodos ativos e dormentes, estágios com e sem tendências. O grafista pode concentrar sua atenção e recursos nesses mercados que exibem fortes tendências e optar por ignorar o resto. Como resultado, o grafista pode virar sua atenção e capital para tirar proveito da natureza rotativa dos mercados. Em momentos diferentes, certos mercados tornam-se "quentes" e experienciam importantes tendências. Normalmente, esses períodos de tendência são seguidos por períodos calmos e relativamente sem tendência, enquanto outro mercado ou grupo de ativos assume o controle. O trader técnico é livre para escolher. O fundamentalista, no entanto, que tende a se especializar em apenas um grupo, não tem esse tipo de flexibilidade. Mesmo se ele ou ela fosse livre para mudar de grupo, o fundamentalista teria um caminho mais difícil para fazê-lo do que o grafista.

o Price Action em um mercado ou grupo pode dar pistas valiosas para a direção futura de outro mercado ou grupo de mercados.

Outra vantagem do analista técnico é a "visão geral". Seguindo todos os mercados, ele ou ela tem uma excelente noção do que os mercados estão fazendo em geral, e evitam a "visão de túnel" que pode resultar de seguir apenas um grupo de mercados. Além disso, porque muitos dos mercados incorporaram relações econômicas e reagem a fatores econômicos semelhantes, o Price Action em um mercado ou grupo pode dar pistas valiosas para a direção futura de outro mercado ou grupo de mercados.


ANÁLISE TÉCNICA APLICADA A DIFERENTES MEIOS DE NEGOCIAÇÃO

Os princípios da análise de gráficos se aplicam a ações e futuros. Na realidade, a análise técnica foi primeiro aplicada ao mercado de ações e posteriormente adaptada para futuros. Com a introdução de futuros de índices de ações, a linha divisória entre essas duas áreas está desaparecendo rapidamente. Mercados de ações internacionais também são mapeados e analisados de acordo com princípios técnicos. (Veja a figura 1.2.) 

Futuros financeiros, incluindo mercados de taxas de juros e moedas estrangeiras, tornaram-se enormemente populares na última década e provaram ser excelentes assuntos para análise gráfica. 

Os princípios técnicos desempenham um papel na negociação de opções. A análise técnica também pode ser usada com grande vantagem no processo de hedge.



ANÁLISE TÉCNICA APLICADA A DIFERENTES DIMENSÕES DE TEMPO

A opinião expressa em alguns setores que a análise gráfica é útil apenas no curto prazo, simplesmente não é verdadeira.

Outro ponto forte da abordagem de gráficos é sua capacidade de lidar com diferentes dimensões de tempo. Se o usuário está negociando as mudanças no Intraday tique a tique para fins de Day Trading ou, negociando a tendência intermediária, os mesmos princípios se aplicam. Uma dimensão de tempo frequentemente esquecida é a análise técnica de longos períodos. A opinião expressa em alguns setores que a análise gráfica é útil apenas no curto prazo, simplesmente não é verdadeira. Foi sugerido por alguns que a análise fundamental deve ser usada para previsões de longo prazo com fatores técnicos limitados ao tempo de curto prazo. O fato é que análises de longo prazo, usando gráficos semanais e mensais que remontam a vários anos, provou ser extremamente útil. Uma vez que os princípios técnicos discutidos neste livro são completamente entendidos, eles fornecerão ao usuário uma tremenda flexibilidade de como podem ser aplicados, tanto do ponto de vista do meio a ser analisado e a dimensão do tempo a ser estudada.


TÉCNICO OU GRAFISTA?

Uma forma de distinguir entre o grafista e o estatístico é dizer que todos os grafistas são técnicos, mas nem todos os técnicos são grafistas.

Existem vários títulos diferentes aplicados a profissionais da abordagem técnica:

analista técnico, grafista, analista de mercado e analista visual. Até pouco tempo atrás, todos eles significavam praticamente a mesma coisa. No entanto, com maior especialização na área, tornou-se necessário fazer algumas distinções e definir os termos com um pouco mais de cuidado. Porque praticamente todas as análises técnicas foram baseadas no uso de gráficos até a última década, os termos “técnico” e “grafista” significavam a mesma coisa. Esta não é mais necessariamente verdade.

A área mais ampla da análise técnica está sendo cada vez mais dividida em dois tipos de praticantes, o grafista tradicional e, na falta de um melhor termo, técnicos estatísticos. É certo que há muita sobreposição aqui e a maioria dos técnicos combina as duas áreas até certo ponto. Como no caso do técnico versus fundamentalista, a maioria parece se enquadrar em uma categoria ou outra. 

Quer o grafista tradicional use ou não trabalho quantitativo para para complementar sua análise, os gráficos continuam sendo a principal ferramenta de trabalho. Tudo o mais é secundário. O gráfico, por necessidade, permanece um pouco subjetivo. O sucesso da abordagem depende, na maior parte, da habilidade individual do grafista. O termo “arte do gráfico” foi aplicado a essa abordagem porque a leitura de gráficos é em grande parte uma arte.

Em contraste, o analista estatístico ou quantitativo considera esses princípios subjetivos, quantifica, testa e otimiza-os com a finalidade de desenvolver sistemas de negociação mecânicos. Esses sistemas, ou modelos de negociação, são então programados em um computador que gera sinais de “compra" e "venda" mecânicos. Esses sistemas variam dos simples aos muito complexos. Contudo, a intenção é reduzir ou eliminar completamente o elemento humano subjetivo no comércio, para torná-lo mais científico. Esses estatísticos podem ou não usar tabelas de preços em seu trabalho, mas são considerados técnicos, desde que seus o trabalho limita-se ao estudo da ação do mercado.

Mesmo os técnicos de informática podem ser subdivididos ainda naqueles que favorecem os sistemas mecânicos, ou a abordagem de "caixa preta", e aqueles que usam a tecnologia da informática para desenvolver melhores indicadores técnicos. O último grupo mantém o controle sobre a interpretação desses indicadores e também o processo de tomada de decisão.

Uma forma de distinguir entre o grafista e o estatístico é dizer que todos os grafistas são técnicos, mas nem todos os técnicos são grafistas. Embora esses termos sejam usados alternadamente ao longo deste livro, deve ser lembrado que o gráfico representa apenas uma área no mais amplo objeto de análise técnica.


UMA BREVE COMPARAÇÃO DE ANÁLISE TÉCNICA EM AÇÕES E FUTUROS

Uma pergunta frequente é se a análise técnica aplicada a futuros é a mesma aplicada ao mercado de ações. A resposta é sim e não, simultaneamente. Os princípios básicos são os mesmos, mas existem algumas diferenças significativas. Os princípios da análise técnica foram aplicados pela primeira vez às previsões do mercado de ações e só mais tarde adaptados aos futuros. A maioria das ferramentas básicas - gráficos de barras, gráficos de ponto e figuras, padrões de preços, volume, linhas de tendência, médias móveis e osciladores, por exemplo - são usados em ambas as áreas. Qualquer um que aprendeu esses conceitos em ações ou futuros não teriam muitos problemas fazendo o ajuste para o outro lado. No entanto, existem algumas áreas de diferença tendo mais a ver com a natureza diferente das ações e futuros do que com as próprias ferramentas.


Estrutura de Preços

A estrutura de preços em futuros é muito mais complicada do que em ações. Cada mercadoria é cotada em diferentes unidades e incrementos. Os mercados de grãos, por exemplo, são cotados em centavos por alqueire, os mercados de gado em centavos por libra, ouro e prata em dólares por onça e taxas de juros em pontos base. O Trader deve aprender os detalhes do contrato de cada mercado: qual troca é negociada, como cada contrato é cotado, quais são os incrementos mínimos máximos de preço e o que valem esses incrementos de preço.


Tempo de Vida limitado

Ao contrário das ações, os contratos futuros têm datas de vencimento. O contrato de títulos do Tesouro, de março de 1999, por exemplo, vence em março de 1999. Um típico contrato futuro é negociado por cerca de um ano e meio antes do vencimento. Portanto, a qualquer momento, pelo menos meia dúzia de contratos mensais diferentes são negociados da mesma mercadoria ao mesmo tempo. O Trader deve saber quais contratos negociar e quais evitar. (Isso é explicado mais tarde neste livro.) Este recurso de vida limitada causa alguns problemas para uma previsão mais longa de preços. Há a necessidade contínua de obtenção de novos gráficos uma vez que os contratos antigos param de ser negociados. O gráfico de um contrato vencido não é muito útil. Novos gráficos devem ser obtidos para os contratos mais recentes, juntamente com seus próprios indicadores técnicos. Esta rotação constante torna a manutenção de uma biblioteca de gráficos em andamento muito mais difícil. Para usuários de computador, também acarreta mais tempo e despesa, tornando necessário estar constantemente obtendo novos dados históricos à medida que os contratos antigos expiram.


Requisitos de margem inferior

Esta é provavelmente a diferença mais importante entre ações e futuros. Todos os futuros são negociados com margem, que geralmente é inferior a 10% do valor do contrato. O resultado desses requisitos de baixa margem é uma tremenda alavancagem. Movimentos de preços relativamente pequenos em qualquer direção tendem a se tornar ampliados em seu impacto nos resultados comerciais gerais. Por esse motivo, é possível ganhar ou perder grandes somas de dinheiro muito rapidamente em futuros. Porque um Trader coloca apenas 10% do valor do contrato como margem, então, um movimento de 10% em qualquer direção dobrará o dinheiro do Trader ou limpa-lo-á. Ao ampliar o impacto de movimentos menores do mercado, o alto fator de alavancagem às vezes faz os mercados futuros parecerem mais voláteis do que eles realmente são. Quando alguém diz, por exemplo, que ele  foi “Varrido” no mercado futuro, lembre-se que ele só se comprometeu 10% em primeiro lugar.


Todos os futuros são negociados com margem, que geralmente é inferior a 10% do valor do contrato.

O resultado desses requisitos de baixa margem é uma tremenda alavancagem.

Ao ampliar o impacto de movimentos menores do mercado, o alto fator de alavancagem às vezes faz os mercados futuros parecerem mais voláteis do que eles realmente são.

Quando alguém diz, por exemplo, que ele  foi “Varrido” no mercado futuro, lembre-se que ele só se comprometeu 10% em primeiro lugar.


Do ponto de vista da análise técnica, o alto fator de alavancagem torna o Timing nos mercados futuros muito mais crítico do que nas ações. O momento correto dos pontos de entrada e saída é crucial na negociação de futuros e muito mais difícil e frustrante do que a análise de mercado. Principalmente para essa razão, habilidades técnicas de negociação se tornam indispensáveis para um  programa de sucesso na negociação de futuros.


O prazo é muito mais curto

Por causa do alto fator de alavancagem e da necessidade de monitoramento próximo de posições de mercado, o horizonte de tempo do Trader de Commodities é muito mais curto. Os técnicos do mercado de ações tendem a olhar mais para o longo prazo e falar em prazos que estão além da preocupação da média dos Tradesrs de Commodities. Técnicos de ações podem falar sobre onde o mercado estará em três ou seis meses. Investidores de futuros querem saber onde os preços estarão na próxima semana, amanhã ou talvez até mais tarde nesta tarde. Isso exigiu o refinamento de ferramentas de tempo de curtíssimo prazo. Um exemplo é a média móvel. As médias mais comumente observadas em ações são 50 e 200 dias. Em Commodities, a maioria das médias móveis é inferior a 40 dias. Uma popular a combinação de médias móveis em futuros, por exemplo, é de 4, 9 e 18 dias.


Maior confiança no tempo

O tempo é tudo na negociação de futuros. Determinar a direção correta do mercado resolve apenas uma parte do problema comercial. Se o momento do o ponto de entrada está atrasado por um dia, ou às vezes até minutos, pode significar a

diferença entre um vencedor ou um perdedor. Já é ruim o suficiente estar do lado errado do mercado e perder dinheiro. Estar do lado certo do mercado e ainda assim perder dinheiro é um dos aspectos mais frustrantes e enervantes da negociação de futuros. Nem é preciso dizer que o tempo é quase puramente técnico na natureza, porque os fundamentos raramente mudam no dia a dia.


MENOS CONFIANÇA NAS MÉDIAS DE MERCADO E INDICADORES

A análise do mercado de ações é fortemente baseada no movimento das médias do amplo mercado - como o Dow Jones Industrial Average ou o S&P 500. Além disso, indicadores técnicos que medem a força ou fraqueza do mercado mais amplo - como a linha de avanço-declínio da NYSE ou as novas listas de high-low são fortemente empregadas. Enquanto os mercados de commodities podem ser rastreados usando medidas como o Commodity Research Bureau Futures Price Index, menos ênfase é colocada na abordagem de mercado mais ampla. No mercado de commodities a análise concentra-se mais na ação individual do mercado. Sendo esse o caso, indicadores técnicos que medem tendências mais amplas de commodities não são muito usados. Com apenas cerca de 20 mercados de commodities ativos, não há muita necessidade.


Ferramentas Técnicas Específicas

Embora a maioria das ferramentas técnicas originalmente desenvolvidas no mercado de ações têm alguma aplicação em mercados de commodities, elas não são usadas exatamente da mesma maneira. Por exemplo, os padrões gráficos em futuros muitas vezes tendem a não se formar totalmente como fazem em ações.

Os Traders de futuros confiam mais fortemente em indicadores de curto prazo que enfatizam sinais de negociação mais precisos. Esses pontos de diferença e muitos outros são discutidos posteriormente neste livro. 

Finalmente, há outra área de grande diferença entre ações e futuros. A análise técnica em ações depende muito mais do uso de indicadores de sentimento e análise de fluxo de fundos. Indicadores de sentimento monitoram o desempenho de diferentes grupos, como Odd Lotters, fundos mútuos e especialistas em fundos. Enorme importância é dada aos indicadores de sentimento que medem a alta e baixa geral do mercado com base na teoria de que a opinião da maioria está geralmente errada. A análise do fluxo de fundos se refere a posição de diferentes grupos, como contas de fundos mútuos ou grandes instituições. O pensamento aqui é que quanto maior o caixa, mais fundos estão disponíveis para compra de ações.

A análise técnica nos mercados futuros é a forma mais pura de análise de preços. Embora a teoria da opinião contrária também seja usada até certo ponto, muito mais ênfase é colocada na análise de tendências básicas e na aplicação de indicadores técnicos tradicionais.


Voltar ao topo