Curva de Treasury Americana

Hyago

Hyago Publicado 25/03/2019 


Dia 22/03/2019 a curva de Treasury Americana inverteu, pela primeira vez desde 2007. A taxa negociada para um título de 3 meses ficou acima da taxa negociada para um título de 10 anos. O que isso significa? 

-Significa que instituições naturalmente quebradas como os Bancos, já que são devedores de curto prazo e credores de longo prazo, começam a ter sérios problemas para criar ativos e sustentar seus spreads. Seus balanços tendem a piorar. O efeito no Crédito começa a aparecer já que com dificuldades para fazer ativos, Bancos perdem capacidade para emprestar dinheiro. E com menor oferta de Crédito, em tese, todo o setor Real da Economia acaba sendo afetado. 

Fundos de Pensão também começam a ter problemas, como qualquer outro que tenha problema em fazer o que chamamos de ALM (Asset and Liability Management). Vão perdendo capacidade para fazer ativo em surplus de yield sobre o passivo e cria déficits financeiros. Portanto a preocupação com o Sistema Financeiro começa a se tornar real, bem embasada, e é bastante preocupante. NÃO NECESSARIAMENTE A INVERSÃO DA CURVA DE TSY SIGNIFICA FIM DE CICLO EXPANSIVO, COMEÇO DE RESSEÇÃO, etc, MAS CERTAMENTE É UM COMPONENTE RUIM À ECONOMIA. 

Economias saudáveis carecem de uma estrutura a termo de juro positivamente inclinada. Uma Economia de Mercado só faz sentido se você tem prêmio para emprestar dinheiro em durations mais longas, do contrário, você fica líquido, bem curtinho. "Bunda na parede". Bernanke sabe o quanto é difícil manter uma curva de juros positivamente inclinada só na garganta, ou com instrumentos normais de política monetária quando as taxas de juros já são muito baixas. J.Powell terá um pouco mais de facilidade, por enquanto, se for necessário. 

Uma coisa parece ser meio consensual. O mundo hoje está muito mais para uma situação desinflacionária do que para uma situação inflacionária. Mercados Emergentes podem ter ganhos em movimento financeiro (reach for yield), mas exportações de commodities começam a se comprometer. Um dos sinais de que as exportações de commodities começaram a se comprometer é pelo comportamento do BADI(em anexo), o Baltic Dry Index, que é um índice que mede o quociente entre capacidade de frete demandada pela capacidade de frete ofertada. O GRÁFICO TAMBÉM JUSTIFICA O CRESCIMENTO ECONÔMICO DA "ERA LULA" (2002-2008) e mostra porquê a famosa "marolinha" nos atingiu em cheio. Também explica um dos motivos da crise econômica (2016) que a Dilma não foi competente para resolver.

O Baltic Dry Index possui sazonalidade sim, mas apesar da sazonalidade, a queda recente foi bastante significativa. Recomendo quem tiver interesse a estudá-lo, sua metodologia, etc. Ele é passível de críticas, mas quebra o galho como excelente proxy. 

A racionalidade econômica por trás de um possível comprometimento de exportação de commodities (redução da corrente de comércio em geral) que, acredito, já começa a se verificar mas que ainda carece de maiores comprovações, é a de que se de fato o mundo convergir para uma situação de hiato global desinflacionário por conta de atividade, os maiores consumidores de commodities (China e outros DMs, como US) passam a demandar menos, o que tende a deprimir os preços (oil down, agricolas down, iron down, etc) e desestimular a exportação. 

Pior do que desestimular a exportação, para os EMs(Mercados Emergentes) exportadores, é o efeito em seus Balanços de Pagamentos, com diminuição de superávit (se houver) e aumento de déficit (se houver). Isso acaba por deprimir suas atividades econômicas também e comprometer seus fluxos de caixa (a parcela do PIB que lastreia serviços de dívida, lucros, entre outros), aumentando a percepção de risco e deteriorando todo o cenário novamente. Tudo isso já aconteceu no passado, por conta da crise financeira que começou ao redor de 2007. PODENDO SE REPETIR.

Eu estimo, com base nas discussões recentes sobre MMT (Modern Monetary Theory), Dominância Fiscal, mandato para BCs de meta de Crescimento Nominal de PIB, etc, que estamos aparentemente, e inevitavelmente, caminhando para novamente reflating the economies. Ou seja nenhum Banqueiro Central quer ser hoje o responsável por desinflar/estourar a Bolha iniciada pelo Bernanke, sustentada pela Yellen/Draghi e possivelmente incrementada por Powell e seus colegas. Na próxima vez, eles poderão inclusive comprar Equity direto no mercado. 

Vale um adendo: mesmo em crise, é possível ver commodities apresentarem comportamentos discrepantes se, por exemplo: Dólar perder muito valor rápido para outras moedas. Neste caso, commodities podem subir um pouco, especialmente oil; 

Enfim: tudo isso só depende se, de fato, o mundo estiver caminhando para nova recessão em U.S e desaceleração maior na China. No final do ano passado li Economistas Chineses esperando PIB rodando a menos de 6% anualizado na margem a partir de meados do ano de 2019. Também tenho lido já há bastante tempo que é relativamente bem esperada nova recessão Americana para 2020/21. Talvez as coisas tenham apenas se antecipado um pouco graças a Trade Wars/Geopolítico mais complicado. 

ESPERO QUE ESSE ESTUDO POSSA AJUDAR A LEITURA DO CENÁRIO ECONÔMICO  MUNDIAL E CONSEQUENTEMENTE DE MERCADOS EMERGENTES (BRASIL), AUXILIANDO ASSIM ESPECULAÇÕES DE POSITION QUE NOS ORIENTAM PARA MELHORES OPORTUNIDADES NO DAY-TRADE.

ABRAÇO A TODOS OS COLEGAS DO PROJETO 10%

BONS ESTUDOS!!!!!!



Voltar ao topo